O gringo pode quebrar…

Assistindo Kona, junto de outros fanáticos pelo triathlon, evidenciei mais uma vez como o brasileiro é um péssimo torcedor.

Já assitiu jogo da Seleção Brasileira de Futebol? O torcedor brasileiro aplaude a entrada em campo, canta o hino com emoção, grita UHHH a cada chute a gol e fica esperando o tempo passar para vaiar. Ele não canta durante o jogo, ele não empurra o time.

Ele vaia, xinga, reclama. Para ele só está bom se ganharmos de goleada.

No triathlon é igual.

Quando Igor apareceu na frente do grupo bateram palma, falaram que o cara era valente… foi só ele se posicionar mais para trás e começaram a falar que ele quebrou.

Quando começou a corrida só escutava: Igor ta amarelando, VInhal ta morto mais de 14 minutos atrás, Colucci amarelou.

Junto deles ou mesma a frente, estavam: Tim Berkel, Tim Reed, Jesse Thomas, Ronnie , Tim O´Donnel e tantos outros.

Ao fim da prova, Colucci se esforçou para honrar seus torcedores e completou andando, assim como Jan Frodeno, e algum brasileiro lembrou disso? Não, mas as fotos e dizeres que FRodeno andou e agora e uma lenda do esporte não pararam de pipocar.

Já Igor e Vinhal, lutaram com tudo que tinham e ambos terminaram no TOP15.

Eu disse TOP15, na prova mais dura e respeitada do mundo de endurance multisport.

chegada-de-thiago-vinhal-no-ironman-havaifonte: Jb.com.br

Nos instas dos gringos que abandoram, a brasileirada fica babando ovo, falando que vão voltar mais forte, que são os caras… se fossem os brasileiros que abandonaram, só ia chover grupinho de whatsapp falando que os brasileiros são amarelões….

Essa é a nossa cultura, sempre desmerecer o que é nosso.

O dos gringos é sempre melhor, até a quebrada deles é mais nobre.

 

Kona Race Recap – Mens

Há anos não temos uma prova tão animada, a edição de 2017 fez lembrar Luc Van Lierde em 1996 quando correu para 2:39 (tempo oficial com penalty 2:42) e buscou Thomas Hellriegel sofrendo com cãimbras na parte final da corrida e estabeleceu o novo recorde ou o duelo de Chris Mccormack e Andreas Raelert no mesmo ponto onde Lionel Sanders sucumbiu a um voador Patrick Lange.

A prova

A natação começou animada, com Josh Arbenger saltando na frente com menos de 200 mts e saindo sozinho quase batendo o recorde.

Logo atrás um grupo 32 contenders inclusive os brasileiros. e 5-6 minutos atrás os Uber Bikers: Cameron Wurf, Lionel Sanders e Sebastian Kienle.

Estranhamente, Frodeno, Van Lierde e Tim O´Donnel não tentavam escapar do grupo e ficaram aguardando a chegada do trio, o que aconteceu em Hawi.

Dai em diante, um serie de ataques até que Wurf entrou sozinho, pouco a frente de Kienle e SAnders e assim quebrou o recorde de 11 anos de Norman Stadler por 5 minutos.

A corrida parecia que veríamos muitas disputas na frente, mas vimos um Sanders correndo de forma bizonha, porem rápida, segurando Kienle que corria 2:30 atrás com forma perfeita e o field que parecia inteiro para correr.

Mao ao invés disso vimos Kienle cansar, Ben hoffman quebrar e diversos atleta que pedalaram 10 ou mais minutos pior, virem de tras voando.

Assim veio Patrick Lange, correndo de boca fechada e mecânica perfeita, lembrando muito Mirinda Carfrae em suas vitórias.

Ao passar por Sanders, não mudou ritmo ou expressão, enquanto Sanders agonizava, trincava os dentes e mostrava que estava dando 100% do que tinha.

Ao fim Lange quebrou o recorde e chegou com cara de que não deu tudo enquanto todo o field chegava aos trancos e barrancos.

lange_2

Um pouco mais atrás nossos atletas brasileiros Thiag Vinhal e Igor Amorelli chegavam juntos, dando um show para torcida e colhendo um excelente 13º e 14º lugar.

1. Patrick Lange (GER) 8:01:40
2. Lionel Sanders (CAN) 8:04:07
3. David McNamee (GBR) 8:07:11
4. Sebastian Kienle (GER) 8:09:59
5. James Cunnama 8:11:24 (ZAF) 8:09:59
6. Terenzo Bozzone 8:13:06 (NZL) 8:09:59
7. Andy Potts 8:14:43 (USA) 8:09:59
8. Patrik Nilsson 8:18:21 (SWE) 8:09:59
9. Ben Hoffman 8:19:26 (USA) 8:09:59
10. Boris Stein 8:22:24 (GER) 8:09:59
11. Ivan Rana 8:24:53 (ESP)
12. Bart Aernouts 8:26:28 (BEL)
13. Thiago Vinhal 8:27:24 (BRA)
14. Igor Amorelli 8:27:26 (BRA)
15. Tim Van Berkel 8:28:05 (AUS)

Ironman Kona 2017 preview

ironman-kona-WC-image

Vamos la,  voltando a carga total apos 3 anos.

Começamos com uma analise do Mundial de Kona que larga em alguns minutos.

Prova Masculina

O recente acidente de Tim Don, pode parecer pouco, mas tem um papel importante na dinamica da prova.

Ele era o mais forte aliado de Jan Frodeno, para sair da agua na frente e puxar o ritmo na bike, dificultando a chegada dos Uber Bikers Lionel Sanders, Michael Weiss e Sebastian Kienle,

Sem aliados provavelmente Frodo, passara bom tempo na frente levando um grupo de roda.

Outro atleta que pode ajudar a machucar Frodeno para ele sair desgastado e Tim O´Donnel, que tem estado quieto em sua preparação assim como Ben Hoffman que parece ter o jogo mais equilibrado ao estilo Frodeno.

Caso vários atletas saiam junto para correr esta tudo aberto, pois vale lembrar que dos top contenders, Frodeno até hoje não encaixou uma maratona tão incrível como: Sanders, Patrick Lange e Matt Hanson.

Sendo assim qual a conclusão?

Frodeno vem de um período onde correu provas fracas e ninguém sabe seu real nível, tendo inclusive pulado o mundial de 70.3.

Sanders, vem com um pacote melhor, uma natação muito melhor e o resto afiado.

Kienle vem desprestigiado e sem uma bike tão contundente quanto antes.

Weiss, vem com um vitória recente em Ironman após período parado por queda.

Tim O´Donnel vem de vitória em Ironman.

Os Alemães vem muito forte e em qrande número, tendo Patrick Lange e Nick Astelein na ponta do grupo.

Prova animada garantida!

Feminino

Não tem muito o que dizer a não ser:

Ryff em primeiro, Heather Jackson em segundo

Atrás e incerto e muitas atletas com nível parecido.

A prova passará ao vivo na RED BULL TV

 

A Natação no Triathlon

swim2

Quando pensamos em triathlon, olhamos o ciclismo e a corrida com admiração plástica dos movimentos e equipamentos.

Nos treinos destes dois esportes sempre podemos encontrar os amigos, treinar juntos, bater um papo, parar e tomar um café no meio do pedal, enfim, nos divertir.

Porém ao olhar a planilha e ver os sets de natação a grande maioria torce o nariz, corta um pedaço do treino, deixa de fazer um ou outro treino.

Mas porque??

As desculpas são inúmeras, e quando falamos de Ironman, a grande desculpa é que a natação representa uma porção muito pequena da prova, e o ganho com muita dedicação e afinco representará 3min ou 5min.

MAS…. a verdade é outra.

E posso falar com conhecimento de causa.

Ao negligenciarmos a natação não evoluímos neste fundamento e comprometemos o resto da prova.

Mas porque? Porque sem o devido treino e volume na natação, saímos da água cansados, ¨no gancho¨ e por mais treinados que estejamos na bike, o pedal não sairá como treinamos.

Um dos maiores técnicos de triathlon do mundo Brett Sutton, é conhecido por fazer seus atletas treinarem volumes incríveis de natação com séries muito duras e longas.

Assim seus atletas, em sua totalidade, melhoraram seus tempos de natação, e por consequência seu pedal e sua corrida.

Portanto, para ser um melhor triatleta, nade mais.

Final WTS Edmonton

Assista o resumo alucinante da WTS Edmonton onde Reinaldo Colucci teve atuação corajosa no último domingo.

Performance impecável de Alistar Brownlee e tetra campeonato mundial par Javier Gomez.

Medidores de potencia x mente!

IMG_3847.JPG

Hoje qualquer rodinha de conversa de ciclismo ou triathlon conhecce bem os termos Watts, FTP.

No entanto ha algo de sombrio por tras destes numeros e dados…. a capacidade de interpreta-los.

Treinar pela potencia, bpm e cadencia e otimo, sem duvidas e pode lhe dar inumeros dados precisos, e isso e muito valido.

Porem em uma prova onde ou nao estamos no nosso melhor dia ou mesmo estamos inseridos em uma dinamica de prova que e preciso acelerar para nao perder contato com outros atletas, estes numeros podem nos deixar em maus terrenos.

Recentemente em uma prova de ciclismo com diversas subidas curtas de ate 4km, o pelotao principal onde eu estava, era liderado pelos atletas da principal equipe brasileira e em todas as subidas passamos entre 380 e 420watts.

Olhando pro garmin eu ja sabia que uma hora a conta ia chegar e assim foi. Na ultima subida estavamos a 380 watts e houve um ataque que definiu a prova.. Com duas horas nas pernas, nao deu para acompanhar e fiquei na quebra do pelotão. Ou seja a morte tinha sido anunciada, so tive que esperar ela chegar.

A mente brigou durante duas horas ate que a ciencia mostrou seu valor… Numeros sao numeros e as vezes podemos vence-los mas na maioria das vezes não.

Treino x Lesão

injuryDurante anos meu maior medo era traçar objetivos a longo prazo e me machucar no meio do caminho.

Acredito que este seja o fantasma que persegue a grande maioria dos atletas, amadores ou profissionais.

Mas o que fazer?

Sabemos que o ápice da nossa performance, o melhor que um atleta pode chegar, significa estar no limite do corpo, entre render 100% ou se machucar e ficar doente.

Assim existem atletas que nunca buscam romper barreiras, ficam em uma zona de conforto, nao buscam mudar seus treinos, testar novas series, mexer em seus ciclos de treinamentos, pois o 90% ou ate mesmo os 95% que ele rende lhe satisfaz, e seu risco diminui.

No entanto existem aqueles que querem sempre exceder, que vão no limite, atingem novas curvas, e assim estão sempre suscetíveis a problemas no caminho.

Tem um atleta que para mim demonstra isso muito bem: Luc Van Lierde

Conheci Van Lierde em 2005 e alguns parceiros de treino dele. Hoje ele treina Frederik Van Lierde atual campeão mundial de Ironman.

Luc, fazia treinos que muitos diziam ser loucura, como 180km de motopace seguidos de uma corrida de 5k pra tempo, ou mesmo corridas de 3horas com certa frequencia em ritmo de prova.

Ele achou o que funcionava, e ainda assim a cada ano mudava seu treinamento, mas por estar sempre no limite entre andar muito e se machucar, teve uma carreira curta, abreviada por seguidas lesoes. Luc, sempre buscou evoluir, mesmo sendo detentor do recorde mundial de Iron Distance, mudava seus treinos e queria ir mais longe, mais rapido.

Outro atleta mais recente que mostra isso e Alistar Brownlee.

Alistar mesmo novo, vem lutando com lesoes constantes, pois sua mecanica na corrida, sua sobrecarga de treinos e o nivel alcancado por ele sao fatores que facilitam o surgimento de lesoes. Ele elevou o nivel da ITU, não tem o jogo do corredor como Mario Mola, ele treina para sair da agua na frente, puxar o pedal e massacrar na corrida. Saudavel é imbatível.

Recentemente um excelente atleta de ironman passou um período treinando com os irmaos Brownlee, digo, um excelente atleta Phillip Graves, com vitorias no curriculum e um dos pedais mais fortes no mundo de longa distancia, e veja abaixo o que ele falou :

¨Finally, don’t try running a track session with the Brownlees – just sit on the side and watch; it’s truly an inspirational thing. We did a motor pacing brick session which was brutally hard – over 45km on the bike in an hour with 450m of climbing which ended at the running track. I was determined to stay with Alistair for as long as possible off the bike… I lasted 200m before I got shelled out the back. My chubby little cycling legs won’t go round that fast for long – only need to crack the other 9.8km and I’m there¨

Sendo assim, para aqueles que buscam evoluir no esporte e procuram fugir das lesões e desilusões, uma boa assessoria tecnica, o uso da nutrição esportiva e da massoterapia são fundamentais, para que tudo dê ceerto.

Cuidado e bons treinos!

 

Read more: Phil Graves: Happy Campers | TriRadar.com http://www.triradar.com/racing/phil-graves-happy-campers/#ixzz3BuxYEttJ

 

 

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑